MODA X FEMINISMO: qual a relação?

Minha relação com o feminismo é antiga, mas, como na maioria dos casos, eu não o compreendia de fato. Há 5 anos não era incomum me ver falando: “eu luto diariamente por igualdade”, a típica frase de quem não sabe exatamente o que está falando, essa é a verdade. O meu sonho era trabalhar com futebol mas sentia na pele a barreira do gênero, não entendia como combatê-la mas sabia que não era “batendo de frente” que conseguiria me estabelecer nesse mundo. Mais ou menos nessa época eu conheci uma pessoa, ela era jogadora de futebol profissional e ser humano excepcional. Ela tentou me explicar como eu estava errada e inclusive falou que já havia pensado exatamente da mesma forma antes de estudar sobre o feminismo. Esse diálogo foi todo em Inglês talvez por isso ou por bloqueios sociais eu não concordei com ela, mas nunca esqueci das palavras.

QFSR no youtube: GENDERLESS

Você sabe o que é Genderless?

Basicamente, é uma moda sem gênero. Aquele modo de se vestir quando você não se importa se aquilo é masculino ou feminino, apenas veste e vai ser feliz.

No vídeo de hoje tenho um convidado especial, o Ericmeu marido e apoiador do QFSR. Eu e ele vamos explicar melhor o conceito e genderless e contar as 5 peças de roupas que compartilhamos.

Curtiu? Não esquece de clicar no dedinho para cima e se inscrever no canal. Isso nos ajuda muito a criar cada vez mais conteúdo por aqui.

Depois me conta o que achou do vídeo?

Beijos da valen! 

Apresentando: Tita Co

O que dizer dessa marca que eu mal conheço e já considero muito? Brincadeiras a parte, a Tita Co foi uma grata surpresa na minha vida e é um prazer apresentá-la para vocês hoje.

Conheci a Luiza um dia desses meio no susto. Tínhamos dificuldade de encontrar um horário no meio dessa loucura que é a vida aqui na cidade mais caótica do país. Até que um dia deu certo, eu saí correndo e entre um atendimento e outro conseguimos conversar.

Metas 2018: por que não tê-las?

Chega essa época do ano e o que eu mais vejo são dois grupos de pessoas bem distintos. Aqueles que fazem listas e traçam metas (muitas vezes impossíveis de serem cumpridas) para o ano que está chegando e aqueles que criticam quem faz isso.

Fonte: https://patypegorin.net

Eu nunca fui uma pessoa de fazer uma lista de metas para o outro ano, para falar bem a verdade eu poderia ser até uma pessoa do grupo de críticos em um passado bem recente. Mas meu ano de 2017 foi TÃO conturbado que eu acabei deixando de lado vários projetos pessoais e profissionais. Sim, eu acabei me dando o “restinho”do ano para simplesmente viver, sem grandes exigências ou tarefas a serem cumpridas, sabe?

Por esse motivo resolvi traçar metas específicas, porém bem planejadas e nada impossíveis de serem alcançadas. Enquanto fazia isso descobri o quanto isso pode ser legal e resolvi compartilhá-las com vocês. Dessa forma tenho mais motivação ainda para realizar, certo?

Apresentando: Leninha Lingerie

Hora da enquete: aquela menina que nunca se sentiu insatisfeita com seus seios em algum momento da vida, que atire a primeira pedra!

É, de fato essa é uma questão para 90% das adolescentes e mulheres no Brasil e, por muito tempo, pra mim também.

Durante esse meu processo de mudança tenho tentado estimular um processo de valorização, aceitação e diria até admiração do meu próprio corpo. Sabe? Parar de ser tão dura comigo, valorizar outras coisas além da estética. No meio disso tudo, apareceu a Maria, idealizadora da Leninha, no meu caminho.

Vamos conversar sobre consumo consciente?

 

É com muita honra que eu venho contar para vocês que essa semana teremos um evento muito especial. Vamos falar sobre moda, consumo consciente e sustentabilidade. Além disso, também vou contar para vocês por que resolvi começar o blog e quais são os meus objetivos com ele. Depois disso vamos ter uma mesa de conversa com as super Renata Cechinel – Fotógrafa e Taisse Marcos – idealizadora da Très Deyo.

Apresentando: Mínima

Mesmo com pouco tempo de blog (começamos em maio desse ano), já contei aqui algumas histórias de pessoas e marcas que me tocaram de verdade. História de gente que deixou o emprego, mudou a carreira, descobriu o que amava ou o que, simplesmente, não gostava. Diversas histórias lindas e inspiradoras, mas nenhuma dessas me emocionou tanto quando a da Mínima e sua idealizadora, a Fernanda.